E se uma tecnologia deixar
de existir?

As empresas cada vez mais estão baseadas em tecnologia e suas atividades são fundamentadas em processos que muitas vezes dependem integralmente de sistemas de TI.

A facilidade e rapidez criadas na adoção de um sistema, bem como o controle e disponibilidade das informações, são justificativas mais que pertinentes para uso de um sistema tecnológico em uma empresa, porém, e se essa tecnologia deixar de existir?

Geralmente quando pensamos em uma tecnologia que deixa de existir, pensamos em algo que é substituído por outra tecnologia mais eficiente ou simplesmente algo que deixa de existir por não ter sucesso.

De fato, a maioria dos casos corre neste sentindo, portanto há alguns casos mais complexos, como o exemplo o Flash Player que iremos abordar abaixo, uma vez que ele é muito utilizado em ambientes laboratoriais e hospitalares.

O flash player é um reprodutor de mídia muito popular, talvez o mais popular na internet, criado em 1996. Apesar de ter reconhecimento notório por vídeos e jogos que são executados neste reprodutor, o Flash Player é também a base de muitos sistemas que apresentam informações em navegadores web. Em 2005 a Adobe adquiriu o Flash Player.

Após alguns anos, em meados de 2010, o flash player foi alvo de duras críticas por ser um reprodutor de mídia considerado pesado para dispositivos móveis, um dos motivos por não executar no Iphone inclusive, e principalmente por falta de segurança.

Pensando na segurança da informação realmente nos preocupa quando vemos que em 14 anos, o Flash Player recebeu 292 correções por conta de vulnerabilidades.

Fato é que depois de tanto tempo, em 2017 a Adobe anunciou o fim do flash player, que seria descontinuado em 31/12/2020. E este dia chegou, e mesmo com tanto tempo de aviso prévio muitos sistemas não atualizaram sua tecnologia e simplesmente deixaram de funcionar. O começo de 2021 foi (e está sendo) desafiador para quem utiliza o flash player em seu sistema principal e agora está tentando, a toque de caixa, uma solução que garanta a continuidade de sua operação.

Mesmo que a solução seja encontrada, muitas falhas foram expostas. Desde a falta de planejamento, uma vez que todos foram avisados há 3 anos sobre a descontinuidade da ferramenta, passando pelo desconhecimento de novas tecnologias e o mais preocupante, que são soluções “paliativas”, como manter navegadores desatualizados forçadamente para manter o flash em funcionamento.

Bom, o que este exemplo do Flash Player nos traz de reflexão? As tecnologias não são eternas, muito pelo contrário, com o passar dos tempos elas evoluem e serão substituídas. Cabe a você gestor identificar e acompanhar o mundo tecnológico, buscando sempre manter-se alinhado e atualizado junto ao mercado e principalmente com sua operação em segurança.

Não se engane, a tecnologia nos ajuda e muito, porém não é auto administrada. É preciso pessoas competentes e especializadas para mantê-la.

Precisa organizar seu processo de TI/Gestão da Informação? Fale conosco!